Comportamento

Divã: há vida além das FAST FASHION

Por que a maioria das mortais é viciada em loja de departamento?  Preço ¨bom¨, modinha acessível, acesso rápido às tendências e pagamento facilitado – com juros.

06_mhg_rshow_becky_bloom

Essas são algumas ¨vantagens¨, né? No começo do blog eu era RATA de FAST FASHION… Giletei muito o cartão na C&A, Renner, Riachuelo e derivados comprando roupinhas legais pros meus looks do dia. Tirava fotos escondida no provador pra fazer matérias, suava bicas agachada catando as araras de menor preço pra mostrar que a gente podia SIM se vestir bem e gastar pouco.

Mas de dois anos pra cá, com o crescimento vertiginoso do Instagram e a possibilidade de criação de ¨lojas virtuais, delivery e que entregam para todo o Brasil¨ a concorrência está trazendo benefícios pras consumidoras. Preço bacana não é mais um atrativo, é uma obrigação para a permanência no mercado… A cliente não precisa mais comprar no primeiro lugar que procura, é só fazer uma varredura nas redes sociais que, facilmente, consegue achar produtos semelhantes e que se adequem ao seu bolso.

O ¨barato¨ das fast fashion termina saindo caro quando colocamos na ponta do lápis o gasto de tempo, esforço e tumulto, falta de comodidade e personalização da compra. Antes, comprar uma calça por R$89 era um ACHADO, agora, nêga, você recebe a vendedora no conforto do seu lar pra escolher os produtos por essa mesma faixa de preço.

Enfrentar o trânsito, gastar gasolina – que o tanque tá custando mais que uma sandália da Schutz, pagar estacionamento, ter aquele sério e eterno problema com a falta de padronagem dos tamanhos e ter que pegar várias peças iguais pra levar ao provador. Depois ter limite de peças pra ENTRAR no provador. Ter que correr dos vendedores de cartão inconvenientes que insistem em querer te convencer que ter 10% de desconto na primeira compra é uma puta vantagem pra você fazer o cadastro e ficar refém de mais uma dívida.

É por isso que prefiro, de coração, divulgar LOJAS – atendimento normal, layout legal, uma pessoa pra pegar as peças que você gostou – que tenham preços acessíveis a me esconder nos provadores da C&A e ter que fotografar sem flash pra não levar um baile da moça com o crachá. Faça-me-o-favor, né?

A boa notícia é que a gente não precisa mais ¨se passar¨ pra comprar barato… As opções aumentaram e a gente pode escolher à vontade onde, como e quando queremos ser atendidas ou ir à loja comprar.

Sempre vai ter aquele amor de Carnaval, aquela peça desejo que você se apaixona desde a vitrine e enfrenta uma fila de 40 minutos pra levar, já que dos 40 caixas disponíveis, apenas 3 têm funcionários pra atender. Ok, faz parte. Mas abra os olhos…Há vida (e roupas) para além dos muros da Renner! O fantástico mundo do Instagram está aí pra nos ajudar a consumir da melhor maneira possível: a mais prática e mais econômica.

Sobre a blogueira

Cuca Amorim